quinta-feira, novembro 20, 2008

Suspenso


Suspeito muito
das cores e
do
ócio

Suspenso saborosamente
ao
amargo
acaso

Estudando
simbolicamente
o que deve e não deve ser dito

em qualquer
que seja a ocasião

Soluçado
o choro
o triste que
vai

Como a nau de Bosch
Como o estranho

arranjado pelo vento

Como o olhar
que perde-se nas cores

suspenso


*Alexandre Gomes Vilas Boas


*Todos os direitos reservados.

4 comentários:

Mary Flower disse...

Linda a foto!
Já andava com saudades do poeta...
Parabéns pelas exposições, em Porto Alegre e aqui!

Alexandre Gomes Vilas Boas disse...

Obrigadão Mary!

Marília Salles disse...

Adorei o que escreveu... aliás belo blog, voltarei mais vezes... Saudades de ti!

Alexandre Gomes Vilas Boas disse...

Valeu Marília !Muito obrigado por seu comentário carinhoso.
Saudades de todos vocês dos orelhas!